terça-feira, 23 de novembro de 2010

O impacto das mídias socias no jornalismo

Mídias Sociais tem seu lado bom e ruim na visão de especialistas.
Algumas mídias socias

Os anos passam e as coisas mudam. É assim com todas as coisas do mundo, inclusive a internet. Com o passar dos anos, novas coisas começaram a surgir, dentre elas as mídias sociais. No Brasil, a precursora foi o site de relacionamentos "Orkut", até a chegada do Twitter, MySpace, Facebook e etc.

No entanto, grande parte destas mídias deixaram de ser redes sociais direcionadas apenas para o lazer e passaram a ter outras finalidades. O caso mais notável é o do Twitter, desenvolvido apenas para mensagens curtas, de até 140 caractéres. Nunca se imaginou que o Twitter um dia seria usado como o principal meio de informação para tantas pessoas, contudo foi o que aconteceu.

O impacto das mídias sociais foi tão grande, que empresas tradicionais da área de comunicação criaram perfis  no Twitter para se aproximarem mais do público. Uma manchete curta sobre a matéria e um link que possibilita, ao usuário da mídia social, o acesso à informação completa sobre o assunto, tudo isso em apenas 140 carácteres.


Talvez tenha sido esta a característica principal para o sucesso desta prática, já que ao mesmo tempo em que o usuário se diverte, tem a possibilidade de se manter informado. Imaginem uma pessoa trocando mensagens com um amigo, sobre um assunto comum a muita gente. O Twitter é uma ferramenta que não limita este assunto apenas para essas duas pessoas, ele possibilita que estes amigos compartilhem sua discussão a quem mais possa interessar.

A partir disso, pode-se dizer que o resultado de empresas renomadas, como a Revista Veja, G1 e tantas outras empresas transmissoras de informação, seria positivo. Realmente foi, porém assim como aumenta o alcance e os elogios, as críticas passam a ser bem mais difundidas entre o público. O que, muitas vezes, era discutido apenas em âmbito doméstico, passa a ser discutido publicamente, potencializando as ações negativas relacionadas à estas empresas.

Outro fator que vai de encontro com os pilares do jornalismo, é a questão do ineditismo, o "furo" de reportagem. Isso se torna muito mais díficil de acontecer, tendo em vista que hoje qualquer pessoa pode fazer jornalismo, pois jornalismo é informar e se eu tenho um celular com câmera de vídeo e internet e eu presencio algum fato relevante, basta eu clicar em um botão e começar a gravar. Logo em seguida, postar este vídeo no YouTube e pronto.

Contudo, é impossível dizer que as mídias sociais não acrescentaram nada para a sociedade. Dizer isso é remar contra a correnteza de um rio, é estar fechado às novidades que ainda estão por vir e é relutar para aceitar que a tecnogia já dominou o mundo há muito tempo e tende à dominar ainda mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário